UEFA ainda não deliberou sobre o caso dos “vouchers”

A UEFA informou a Agência Lusa esta segunda-feira, não ter tomado uma decisão sobre a queixa do Sporting contra o Benfica no caso dos ‘vouchers’ oferecidos aos árbitros nos jogos da equipa principal e secundária de futebol dos ‘encarnados’.

“Não foi tomada qualquer decisão sobre este caso”, afirmou um representante do departamento de comunicação do organismo que superintende o futebol europeu.

Na passada sexta-feira, o Benfica anunciou o arquivamento da queixa, por parte do organismo que rege o futebol europeu, facto negado, posteriormente, pelo Sporting, que explicou que a UEFA abdicou de abrir um processo disciplinar enquanto o processo corre numa instância nacional, caso do Tribunal Arbitral do Desporto (TAD).

Num programa televisivo, em 2015, entre outras acusações, Bruno de Carvalho referiu que o Benfica fazia ofertas de cortesia a equipas de arbitragem em todos os jogos que poderiam atingir um valor global por época a rondar os 250 mil euros. A 11 de Outubro foram feitas buscas na SAD do Benfica, com vista à recolha de provas para um processo dirigido Ministério Público – DIAP de Lisboa.

No mesmo dia em que o Ministério Público indicou que as buscas tinham sido feitas, o Benfica reiterou o seu empenho no “cabal esclarecimento e célere decisão” do denominado ‘caso dos vouchers’.

Em comunicado, “na sequência de notícias vindas a público sobre o processo”, o clube da Luz relembra que, após as “insinuações e acusações”, feitas a 05 de Outubro de 2015, “solicitaram à Federação Portuguesa de Futebol (FPF) que remetesse uma participação às instâncias competentes, visando promover a averiguação da situação referida no mais curto espaço de tempo”.

A 27 de Janeiro deste ano, no âmbito da justiça desportiva, a Comissão de Instrução e Inquéritos (CII) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional anunciou o arquivamento do processo decorrente das afirmações do presidente do Sporting sobre as ofertas do Benfica a árbitros.

O Sporting, pela voz de Bruno de Carvalho, anunciou que iria recorrer desta decisão para o TAD.